✴ O Samurai Negro Epub ✷ Author João Paulo Oliveira e Costa – Multi-channel.co

Vou ser honesta estava um pouco hesitante para come ar n o sei, parecia que ia ser uma seca Come ou de uma forma um pouco confusa , n o percebi bem o que estava a acontecer, mas l me fui orientando haha Rapidamente conheci as v rias personagens e o lado medieval do Jap o, o que me fascina honestamente, n o sei porque n o leio mais romances hist ricos, ai ai 3O enredo foi muito bem desenvolvido, ao ponto de n o se tornar aborrecido, com umas reviravoltas e uns momentos que d muita ang stia Tl dr Basicamente, adorei muito mais do que estava espera Acho que ter as expetativas baixas ajudou Hahaha D Com O Samurai Negro, O Autor D In Cio A Uma Trilogia De Romances Hist Ricos Com O Mesmo Nome Que Ter Xogum E Chamas De Nagas Qui Como Volumes Seguintes Esta A Hist Ria De Carlos, Um Pr Ncipe Do Congo, De Pedro, Um Luso Brasileiro, E De Ana, Uma Japonesa Os Dois Amigos Encontram No Jap O Do S Culo XVI Uma Civiliza O Diferente, Literalmente S Avessas, Mas Que Os Atrai, Especialmente Por Causa De Ana Por Nagas Qui Correm Neg Cios De Todo O Mundo, E Os Jesu Tas Espalham A Religi O Crist , Sob O Olhar Apreensivo De Roma, Que Envia Giuseppe, Para Decidir O Destino Do Cristianismo No Jap O Piratas Cru Is, Mercadores Gananciosos, Mulheres Enigm Ticas, Samurais Disciplinados, Mission Rios E Espi Es, Grandes Generais E Poderosos Senhores Feudais Cruzam Se Com Crentes De Todas As Religi Es Vivem Se Paix Es Intensas, Ambi Es E Ci Mes, E Desejos De Vingan A Numa Hist Ria Que Pressente O Novo Mundo Global, Que Neste Caso Liga Roma, Lisboa, Pernambuco, O Congo, Goa E Cochim, O Sul Da China E Todo O Jap O As partes mais importantes da hist ria parece que s o sempre contadas no passado, tirando algum entusiasmo pois j aconteceu e sabemos como as coisas Estas situa es parece que s o contadas de uma maneira resumida Algumas situa es tamb m parecem confusas e muitas personagens entrem e saiem rapidamente Para o fim, talvez por uma quest o de habitua o, n o se nota tanto o que foi descrito anteriormente.Torna o livro mais interessante o facto de a maior parte das personagens secund rias assim como eventos n o directamente provocado pelas personagens principais serem reais ou baseados em eventos reais. Mais um romance hist rico Conta a vida de tr s jovens um pr ncipe do Congo, um luso brasileiro e uma japonesa O romance passa se maioritariamente no Jap o A os jesu tas tentam converter os jap es religi o cat lica.L se com facilidade, mas n o gostei especialmente pois o enredo n o cativa muito. As minhas expectativas em rela o a este livro eram muito altas Por v rias raz es, sendo a principal o facto de Jo o Paulo Oliveira e Costa ser o autor de O Imp rio dos Pardais , um dos meus livros preferidos E tamb m porque sobre o Jap o E um romance hist rico, e promete ser o primeiro de uma trilogia Enfim, estava plenamente preparada para gostar imenso de O Samurai Negro , porque tem todos os ingredientes necess rios para uma boa hist ria, e eu gosto de uma boa hist ria.Mas a verdade que este livro n o me seduziu como eu estava espera.Jo o Paulo Oliveira e Costa um historiador Que escreve bem Escreve sobre aquilo que conhece e estudou profundamente, e isso nota se na forma como entran a o enredo ficcionado com os factos hist ricos S que n O Samurai Negro d nitidamente primazia Hist ria sobre a hist ria, e na minha opini o isso acaba por ser prejudicial para este livro.O enredo gira volta da presen a portuguesa no Jap o, na segunda metade do s c XVI, a fase urea em que Portugal era praticamente dono de meio mundo e ainda n o suspeit vamos que a nossa independ ncia iria estar perdida durante 60 anos Em Portugal reinava D.Sebasti o e os jesu tas eram o motor principal da expans o do cristianismo no planeta No Jap o, os grandes senhores guerreavam entre si pelo poder, e a na o era terra f rtil para o com rcio de armas e tudo o resto que os portugueses encontravam para obter lucro cidade costeira de Nagas qui, no sudoeste do Jap o sim, aquela da bomba at mica na 2 Guerra Mundial , chegam um pr ncipe congol s, um luso brasileiro sobrinho de um pirata e um italiano enviado sob disfarce pelo papado de Roma A v o cruzar se com uma japonesa crist , padres de v rias origens, um chin s misterioso e uma variedade de outras personagens, umas fict cias, outras que existiram realmente e das quais reza a Hist ria Ao longo dos quinze anos que este livro abarca sucedem se perip cias v rias, epis dios imaginados s o intercalados com factos ver dicos, h mist rios e desencontros, as e ci mes, batalhas e raptos, mortes e nascimentos um fluxo constante de informa o da mais variada esp cie que atravessa todo o livro.E aqui est o primeiro e principal motivo que me incomodou h demasiada confus o A hist ria salta incessantemente de umas personagens para as outras e, ainda por cima, no espa o e no tempo Nada demais, muitos livros o fazem S que aqui os saltos s o grandes, bruscos e por vezes quase que for ados, parece que fica sempre qualquer coisa incompleta, qualquer coisa que faz falta para dar mais corpo hist ria tudo aflorado como que ao de leve, as descri es s o curtas verdade que descri es exageradamente longas s o fastidiosas, mas eu preciso de cores e cheiros e texturas para poder visualizar os cen rios de uma hist ria , e em todo o livro parece que o autor est mais preocupado em nos falar dos factos hist ricos do que em nos contar a hist ria que deveria ser, partida, o elemento principal H um ligeiro esfor o de espalhar alguns mist rios pelo enredo, tentando assim despertar a curiosidade e o interesse de quem l , mas o resultado acaba por n o surtir o efeito pretendido ou pelo menos foi que o que sucedeu comigo E com tudo isto, as personagens supostamente principais entre as in meras que povoam o livro, tantas que s vezes me perdia acabam por ter pouca profundidade, porque a hist ria se dispersa e apenas nos vai falando delas quase en passant.Depois h a quest o do modo de falar das personagens Jo o Paulo Oliveira e Costa optou por as p r a falar de uma forma algo arcaica, e isso nota se bastante porque os di logos ocupam grande parte do livro Enquanto n O Imp rio dos Pardais utilizou esse recurso na medida certa, neste livro quanto a mim exagerou A juntar a isto, usa tamb m certas express es japonesas com alguma frequ ncia, e se uma ou outra s o facilmente compreens veis, porque j as conhecemos ou porque nos s o explicadas na pr pria narra o, outras nem tanto, e ter de puxar pela mem ria para tentar relembrar o seu significado ou perceber a que se referem acaba por quebrar a fluidez da leitura E a prop sito disto, faz falta no livro um gloss rio que explique estes e outros termos utilizados na narrativa, assim como um esbo o do mapa do Jap o na poca em que se passa a hist ria e isso seria a cereja no topo do bolo um ndice cronol gico dos factos hist ricos mais importantes durante os anos abrangidos pelo livro, at mesmo para termos melhor no o do que ver dico e do que recriado ou inventado.Isto n o quer dizer que tenha detestado o livro, longe disso Est bem escrito q.b e tem interesse, sobretudo porque nos fala de uma fase menos conhecida e divulgada da nossa e n o s Hist ria, redimindo um pouco a imagem algo denegrida que temos dos jesu tas e da sua influ ncia no mundo e mostrando nos como podem existir pontes entre pessoas e ideias que partida parecem ser antagonistas um livro que enriqueceu mais um bocadinho o meu conhecimento, e isso sempre um ponto positivo.Gostei do livro, mas queria mesmo muito ter gostado mais Queria ter gostado imenso Queria ter adorado S que n o adorei S gostei um bocadinho, e isso desilude me a ponto de n o saber se vou querer ler os outros dois que ainda h o de sair. Comprei este livro porque vi que era relacionado com a presen a portuguesa no Jap o, um tema de que gosto e do qual gostaria de ler Vi que fazia parte de uma trilogia e pensei que seria interessante ler e, se gostasse, iria comprar o resto da trilogia Odiei este livro N o f cil eu odiar um livro, muito menos meter uma estrela Mas eu quero evitar que outros passem pelo que eu passei por isso meto aqui alguns spoilers , n o no sentido de eu estragar a experi ncia de um futuro leitor, mas mas spoiler no sentido em que vou contar em que que o autor estraga a hist ria.S para que percebam, a meio do livro eu j tinha apanhado o meu desgosto, mas li at ao fim, para poder ter uma opini o.Este livro um romance hist rico Significa, como todos os livros do g nero, que vamos ter uma mistura de personagens ficcionais com eventos e personagens reais At aqui tudo bem Ou n o Parece que o autor n o se lembrou disso durante algumas partes do livro Mas a pr pria escrita n o ajuda muito confusa Por vezes a personagem est a pensar num ele ou ela que n o conhecemos e o nome das pessoas muitas vezes aparecem a meio da descri o ou discurso Os discursos s vezes s o t o confusos que tinha de reler para perceber quem disse o qu que o autor diz que A e B est o juntos, mas no discurso n o se percebe logo se foi A ou B quem come ou a falar Mas melhor do que isso quando a meio do discurso C come a a falar e nem t nhamos uma descri o de que ele l estava, sequer.As descri es s o muito pobres, em termos de sentimentos e de lugares, objetos, roupas Os padres jesu tas, para dar um exemplo, s o homens vestidos de negro Ponto As personagens n o t m profundidade de sentimentos Amam, gostam, n o amam, n o gostam, e est o livro escrito.O pior de tudo para mim vir o SLB ao barulho Sim, o Sport Lisboa e Benfica Das duas uma ou o autor maluco pelo Benfica, e n o quer separar isso da sua escrita, ou algu m lhe pagou para referenciar o SLB E sim, este para mim um spoiler, no sentido em que foi aqui que eu deixei de querer saber do livro, s o acabei para poder ter opini o, porque sei que a hist ria continua para al m disto.Como raio que se mete SLB nesta hist ria um portugu s que est no Jap o e que conseguiu comprar porcelana chines pintada a vermelho com o seu bras o pessoal Sim, o s mbolo do clube de futebol um bras o de um nobre Pessoal At a roda da bicicleta do clube de futebol passa a ser s mbolo do globo, do planeta Como poss vel fazer esta mistura Mas o autor achou que ia ter piada Que ia ser engra ado Desculpem, mas para mim foi s est pido Fosse a refer ncia ao clube de futebol que fosse N o N o desse tempo, n o vamos inventar porcelana vermelha e bras es de pessoas Por favor Este livro poderia servir para dar a conhecer uma parte das rela es entre Jap o e Portugal de forma interessante sem ser demasiado cient fico, porque para isso h mesmo livros espec ficos , mas n o, caiu no rid culo E se pensam que h s uma refer ncia ao SLB enganam se, porque at a guia Vit ria virou pessoa Claro que nem me vou dar ao trabalho de ler o resto da trilogia Nem pela escrita vale a pena Para terem ideia, passei o tempo todo a achar que a Fl via e o Giuseppe eram marido e mulher, pela forma como falavam e pelo carinho, mas tamb m porque s a mais de metade do livro que ela diz irm o E eles s o referidos j no in cio do livro Great.N o tenho mais que dizer Se sinto que desperdicei tempo e dinheiro Sinto E eu raramente sinto isso com um livro. O Jap o no in cio do Per odo Azuchi Momoyama 1573 1603 , que se encontra totalmente contido no Per odo do Com rcio Nanban 1543 1641.N o deixando de ser um bem interessante romance hist rico , tamb m, uma Introdu o Hist ria do Jap o nesse per odo.Cont m v rios, e interessantes, apontamentos de Antropologia Cultural que n o uso encontrar nas obras acad micas de hist ria.A LER